Policia Civil

14/06/2017

Cope prende homem suspeito de fazer empréstimos bancários em nome de policiais

Um homem foi preso na noite desta terça-feira (13), no Centro de Curitiba, dentro de uma agência bancária no momento em que tentava fazer um empréstimo no valor de R$ 45 mil em nome de outra pessoa. O homem é suspeito de usar nomes de vítimas de pelo menos três funcionários públicos, todos policiais militares (sendo um bombeiro). A ação foi desencadeada pelos policiais civis do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope).

De acordo com o delegado-titular do Cope, Rodrigo Brown, a equipe policial chegou até o suspeito após uma denúncia anônima. “Este homem faz parte de uma quadrilha que atua em Curitiba e região há pelo menos dois meses. Esperamos que com a divulgação deste caso, outras vítimas possam aparecer”, falou Brown.

Durante a prisão em flagrante, a equipe policial apreendeu com Jorge Mendes dos Santos Costa, de 42 anos, vários documentos falsificados, entre dados pessoas, holerite de policiais, além de uma camisa do padrão da Polícia Militar, provavelmente para falsificar as fotos dos documentos.

No decorrer das diligências policiais, a equipe foi até uma empresa de financiamento para servidores públicos, localizada no Centro da cidade, e apreendeu outros documentos referentes a fraudes bancárias.

De acordo com a polícia, o homem preso fez um empréstimo no valor de R$ 25 mil em um banco na cidade de Fazenda Rio Grande, Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Outras duas tentativas que não surtiram efeito: uma em Rio Branco do Sul, onde o banco não aprovou o cadastro, e uma no Centro de Curitiba, a que resultou na prisão.

“Ele recebia cerca de 10% dos valores dos empréstimos. O restante era repassado para o principal articulador da quadrilha, identificado como Osiel Nunes de Jesus, que terá sua prisão decretada nos próximos dias”, ressaltou o delegado.

Os próximos passos da polícia serão investigar a origem desses documentos, uma vez que são sigilosos, como também descobrir a participação de outras pessoas no esquema criminoso.

O homem preso responderá pelo crime de uso de documento falso e estelionato. Se condenado, poderá pegar de três a 11 anos de prisão.

Para as pessoas que foram vítimas desse esquema, a Polícia Civil orienta procurar o Cope (Rua Conde São João das Duas Barras, 1.274 – Vila Hauer – Curitiba) para registrar o boletim de ocorrência.

AÇÃO DISTINTA – Três pessoas suspeitas de arquitetar um homicídio que vitimou o empresário Everson Luis Hreçay, 39 anos, morto a tiros, foram presas na manhã desta quarta-feira (14), em uma residência no bairro Portão, em Curitiba. As prisões foram realizadas pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), em um trabalho conjunto com a Delegacia de Cambé.

Os mandados de prisão preventiva, expedidos pela Justiça de Cambé, resultaram na prisão de Sonia Mara Ruthes, 47 anos – proprietária de uma casa noturna em Curitiba e principal suspeita de arquitetar o crime, além da participação de outro casal - do seu irmão, Ruberval Ruthes, 46 anos e sua esposa, Rosangela Degeniski, 39 anos.

O crime aconteceu em fevereiro de 2005, quando Sonia, esposa da vítima, decidiu assassinar o marido devido a questões financeiras e um mal relacionamento com a vítima. Segundo investigações, Sônia, tinha um caso extraconjugal com Ailton Muller, que também auxiliou no planejamento do crime.

Sonia teria contratado Jeneci Rodrigues da Silva para realizar o crime, que acabou contratando outras duas pessoas para a execução do homicídio. Everaldo Augusto Souza e Nelson dos Santos, teriam recebido a quantia de R$ 10 mil pelo assassinato do empresário. Todos foram presos na época dos fatos.

Conforme investigações, no dia crime, Sonia, Ruberval e Rosangela, teriam dado uma festa na casa da vítima que foi dormir após passar mal durante o evento. O casal Ruberval e Rosangela facilitaram a entrada de Everaldo e Nelson, que entraram na casa, efetuando vários disparos de arma de fogo contra a vítima que estava dormindo em seu quarto. O trio responderá pelo crime de homicídio qualificado e aguarda à disposição da Justiça.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.