Policia Civil

13/11/2017

Homicídio que vitimou professora morta pelo próprio filho é elucidado

Em menos de três horas, um crime contra a vida que vitimou a professora Denise Simionatto, de 64 anos, morta a facadas pelo próprio filho, foi esclarecido pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Curitiba. O homem, de 24 anos, foi preso em flagrante na tarde de sexta-feira (10/11), na residência de seu pai, na cidade de Joinville, Santa Catarina (SC).

O suspeito não esboçou reação no momento da prisão. O crime aconteceu na noite de quinta-feira (09/11), por volta da 23 horas, no apartamento onde mãe e filho residiam, situado no bairro Pinheirinho.

De acordo com informações apuradas pela polícia, na noite do crime o suspeito teria discutido com sua mãe. Após a briga, o rapaz pegou uma faca de cozinha que havia comprado uma semana antes do crime, efetuando vários golpes no pescoço e tórax de Denise.

“A vítima estava dormindo no sofá da sala quando o suspeito se aproveitou da situação para matá-la. O homem tentou levar o corpo da mãe até o banheiro, pois segundo ele, queria deixar a casa limpa, entretanto não conseguiu levar o corpo e acabou fugindo do local”, conta o delegado da 3ª Delegacia de Homicídios, Osmar Feijó.

Depois da prática do crime, o suspeito fugiu com a faca até a Rodoferroviária de Curitiba e comprou uma passagem para Joinville. Durante o percurso, o jovem disse à polícia que passou próximo ao Mercado Municipal onde deixou a faca em cima de um telefone público. “O local foi vistoriado, mas nada foi encontrado”, disse o delegado.

O corpo de Denise foi localizado por colegas de trabalho que foram até a sua casa para saber o que havia acontecido, já que ela não foi trabalhar. Logo após ser comunicada sobre o crime, policiais da DHPP iniciaram as diligências e se deslocaram até a cidade de Joinville em busca do suspeito, que foi preso em flagrante. A ação policial contou com o apoio da Polícia Militar de Santa Catarina (SC)

Investigações apuraram que ao chegar na casa do pai em Joinville, ainda durante a madrugada, o suspeito foi andar de bicicleta, agindo normalmente.

Segundo o delegado, durante interrogatório o rapaz demonstrou frieza e disse que dias antes ao crime, sua mãe teria tentado matá-lo. “O suspeito não demonstra arrependimento e alega que sua mãe fazia magia negra contra ele. O rapaz não estava sob efeito do álcool e nem drogas”.

O mandado de prisão preventiva contra o suspeito já foi expedido pela Justiça. O homem responderá pelo crime de homicídio qualificado e permanece preso à disposição do Poder Judiciário.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.