Polícia Civil

20/05/2009

Policiais de Foz do Iguaçu prendem em flagrante rapaz que matou mãe


Uma semana após a descoberta de um crime bárbaro cometido pelo filho contra a própria mãe em Foz do Iguaçu, a polícia registra outro homicídio igualmente cruel. Foi preso em flagrante na noite de segunda-feira Rudnei Marques, de 27 anos, acusado de matar a mãe dele, Ivani Lurdes Alves Marques, a golpes de tesoura e faca, além de pancadas desferidas com um botijão de gás.
Conforme relatou o delegado da Homicídios de Foz do Iguaçu, Marcos Araguari de Abreu, quem efetuou a prisão do acusado foi a Guarda Municipal. O crime ocorreu na casa onde o homem morava com a mãe, na Vila Adriana, à Rua Crisântemos. "Os guardas municipais receberam um chamado para dirigir-se até o local e averiguar uma situação de briga. Quando chegaram, a porta estava trancada. Eles chamaram, o indiciado saiu e trancou a grade da porta da frente e foi até o portão", narrou.
Rudnei Marques, então, teria se negado a abrir a porta para os guardas e dava respostas imprecisas sobre o que havia acontecido na residência. "Então, o indiciado foi algemado, e os GMs arrombaram a porta — com o consentimento de familiares — e entraram na casa. E foi quando encontraram o corpo", detalhou o delegado.
O preso em flagrante foi encaminhado imediatamente à 6ª Subdivisão Policial, e quando a equipe da Delegacia de Homicídios chegou ao local do crime, a perícia preliminar determinou que a vítima possuía lesões de faca e tesoura e lesões aparentes de instrumento contundente na cabeça — ferimentos causados pelas pancadas dadas com o botijão de gás.
Além disso, os peritos encontraram no local do crime as armas brancas utilizadas — a faca e a tesoura — e o botijão de gás, sujo com o sangue da vítima. Também foram catalogados vários objetos em desalinho por toda a casa, como cacos de vidro e pedaços de madeira, e no quarto do indiciado uma porção pequena e um cigarro de droga que os policiais suspeitam ser maconha, além de uma seringa.
Um dos detalhes revelados pelo delegado Marcos Araguari é que, quando os GMs chegaram à residência onde ocorreu o crime, o rapaz estava trajando um roupão de banho, "o que dá a entender que ele tomou um banho depois de praticar o crime", possivelmente para retirar do corpo o sangue da vítima.
De acordo com Araguari, o laudo do Instituto Médico Legal ainda não ficou pronto, mas aparentemente a causa de morte foi um traumatismo craniano causado pelas fortes pancadas na cabeça.
Motivo fútil:
Segundo o delegado da Homicídios, o preso não forneceu qualquer informação sobre que motivo teria o levado a agredir a mãe de forma tão cruel a ponto de matá-la. "A fala dele é muito desconexa, não dá para entender", explicou. A família revelou à polícia que Rudnei já tem problemas com entorpecentes e bebidas alcoólicas há tempos, mas que, apesar de todos os parentes terem aconselhado, a mãe não queria apelar para o internamento do rapaz em uma clínica de reabilitação.
A polícia acredita, inclusive, que ele possa ter problemas psiquiátricos. "Mas isso só podemos confirmar se for feito um exame pericial detalhado a respeito da personalidade dele", complementou. Marques não possuía antecedentes criminais, e o que chocou até mesmo os policiais foi a violência de que ele usou para agredir a mãe a ponto de matá-la. "Pela desproporção do fato, qualquer motivação para praticar um crime desta natureza é entendido como um motivo fútil. Tanto que ele foi autuado em homicídio triplamente qualificado: pelo motivo fútil, pela utilização de recurso que impossibilitou a defesa da vítima e pelo meio cruel", afirmou Araguari. "Nenhum motivo de que ele possa ter se valido justifica a prática deste fato", ratificou.

Fonte:
6ª S.D.P. de Foz do Iguaçu.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.